A dádiva de não querer saber nada

Eu sempre paro pra pensar em como eu sei tanto ultimamente. A quase 6 anos atrás eu nunca pensei que saberia tanto, claro diante do quanto sei hoje. E serio mesmo? Saudade desses anos. Pode ser pelo fato de não cobrar tanto de mim naqueles dias. Sem ter uma vozinha falando comigo em forma de aviso que eu deveria me importar mais. Naquela fase, eu não me importava, eu realmente não dava a mínima pra nada.

Hoje, com 16 anos, uma experiência bizarra de vida estudante-que-mora-sozinha-só-ela-e-Deus, não moro com os meus pais, não tenho mamãe e papai pra me carregar de carro pra onde eu quero, tenho que sempre pensar em tudo que eu vou fazer porque não tem ninguém aqui pra avisar que de alguma forma "ei! isso vai dar merda". Não posso cantar alto porque eu sei que pode-se aplicar uma multa por estar incomodando os vizinhos. Não posso me arriscar com uma cropped porque eu sei que aquela lá vai me olhar com o olho torto. Não posso falar as verdades que me dão vontade porque eu sei que vai machucar alguém de alguma forma. Você vê onde eu quero chegar? 

Eu não tinha tanto medo de falar em público quanto eu tenho agora. É muito tenso quando tenho que montar um trabalho e sei que alguma hora terei que apresentá-lo na frente daqueles que formam a minha turma. Hoje eu fico muito apavorada com tudo que ronda em minha volta e eu odeio isso, porque essa simplesmente não sou eu, eu não sou assim. Com 10/11 anos eu era uma pessoa mil vezes mais comunicativa, fazia amizades com um estalar de dedos, apresentava o trabalho na frente da turma com as palavras bem tortas, mas apresentava. Talvez essa seja a verdadeira eu.

E talvez o meu erro seja simplesmente: saber. Eu não sabia o que se passava na cabeça das pessoas naquela época. Não sei hoje também, mas infelizmente eu tenho uma leve noção. As pessoas ficam sempre com aquele julgamento no pontinha da língua, esperando você vacilar feio e tacar mil e uma pedras na sua cara. E hoje, querendo ou não, tenho muito medo disso, de ser julgada, não conheço alguém que não tenha medo. Sem sombra de dúvidas, isso é algo que sinto falta de quando eu era uma criança. Eu não tinha medos. Talvez o meu maior medo era assistir as lendas urbanas do Gugu, eu enfrentava tudo aquilo que eu queria.

.
questiono isso sempre

E as vezes eu me pergunto "será que todo o dia vai ser sempre assim"? Eu realmente não quero perder de vez a minha virtude mais querida, que é o medo em uma ala bem baixa da minha vida. Voltar com aquela alma de criança, onde eu não ligava pra o que você vai pensar disso depois que terminar de ler ou onde eu não ligava de cantar tão mal mas mesmo assim continuar cantando porque eu simplesmente sentia vontade. Dessas horas eu me lembro de histórias que eu não vivi, me faz pensar na imaginação de voltar a ser o que eu era antes, na fantasia de que a realidade não passa de um rascunho do que você quer viver. E eu não quero viver nessa realidade que eu vivo hoje. 

.

E eu estou culpando agora o dom de saber das coisas. Culpo o "saber" pelo o que ele me faz entender das pessoas, me faz entender o quão perdida eu estou na minha própria vida. Queria saber de menos, viver mais, errar mais, entender de menos e inclusive não ligar mais pra aquilo que me faz sentir que não devo fazer alguma coisa.

Comentários

  1. Oi Livia, concordo com você. Coisas de 10 anos atrás são mais como antes, eu também queria ser aquela menina que não sabia de nada e que ninguém me cobrasse. A gente cresce, amadurece e ver isso. Antes eu tinha medo de dizer a verdade e sim, preferia mentir pra fazer a pessoa 'feliz'. Hoje isso mudou, não me importo com o que pensam de mim, do que eu to vestindo... Eu simplesmente faço e é simplesmente meu eu. Falo sem ter medo de machucar porque eu sou assim, doa a quem doer.
    Kisu ~ Bleeding

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Shinoda, tudo bem?
      Enfim, gostaria quem sabe de quer criança novamente e continuar com a minha alma de infância.
      Espero ser um pouco mais como você um dia hhaaha
      Beijao~<3

      Excluir
  2. Oi Liv, tudo bem? Então, isso é mais um desabafo, pelo que pude perceber. E concordo plenamente com você. Não tenho 16, mais já começo a sentir o peso das responsabilidades nas costas. Me sinto tão cansada de tudo na maioria das vezes, e a vontade de voltar a ser criança é enorme. De todo o texto, o segundo parágrafo foi o que eu mais dei destaque na minha leitura, pois me identifiquei com algumas palavras. Infelizmente, não podemos mudar essa "realidade". Quer dizer, viver sem se importar com a opinião dos outros já é um começo. Primeiro, mude você mesma (os seus conceitos, etc), e talvez os outros mudem também.

    (Sério que você não mora mais com seus pais? Conte-me mais sobre isto!)

    [dor à tona]

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Any, tudo joia?
      Talvez seja, eu estava com isso acumulado a muito tempo, talvez essa fosse a hora de dizer as coisas que me sufocavam.
      Grrrrh, odeio responsabilidades!!!!!
      Obrigada pelas dicas, essas coisas são muito importantes pra mim e vou tentar melhorar nesse conceito ;)
      Então, mora só eu e a minha irmã em uma cidade e meus pais em outra, mas ela sempre está ocupada ou seja é cada um por si.
      Beijo e abraço~<3

      Excluir
  3. Olá, tudo bom?
    Você mora sozinha? Que legal, eu moro só com meu pai. Mas vivemos como dois amigos, ele sempre está trabalhando, eu sempre devo me virar quando quero sair, com as coisas para comer. Não é a mesma coisa, mas creio que é parecido.
    Bom, esse assunto da postagem é legal.
    Eu acho que eu era bem mais fechada quando tinhas uns 10/11 anos, eu comecei a fazer amizades depois dos 13. Hoje eu converso com todo mundo, mas com receio de passar vergonha e coisas assim.
    Eu acho que perdi um pouco desse medo de ser julgada, eu sei mais ou menos o que pensam de mim, as vezes fico triste. Mas é melhor jogar um foda-se, isso não nos leva a nada.
    EU AMEI A POSTAGEM <3333333

    {sessão proibida} - s-sessaoproibida.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hello Lunii, tudo beeeem?
      Tem os seus lados negativos e positivos de morar sozinha, confesso que sinto MUITA falta de morar com os meus pais de novo, mas tem hora que não hsuahsuahs então fica ai no ar minha preferência.
      Eu ainda tenho muito medo de ser julgada, serio. Eu as vezes tento ficar meio FODA-SEFODA-SE-FODA-SE mas eu acabo me importando entende?
      Obrigada meu amor,
      um beijo.

      Excluir
  4. Nossa.. tão novinha com uma vida assim! Mas, felizmente que a vida nos ensina a viver né, e aprendemos tanto com ela, que as vezes chega a nos assustar. Eu sempre sonhei em morar sozinha, mas daí pensavas nos pontos negativos e positivos.. até que desisti.. Mas, desejo sucesso em sua vida.. e continua assim.. é o melhor.

    http://destinoincertoo.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Danny, tudo bem com você?
      Hahahaah pois é, é a vida. Obrigada pelo conselho :-)~<3
      É uma boa experiência, admito, você aprende muito com isso.
      Obrigada, desejo em dobro pra você!
      Beijasso

      Excluir
  5. Que postagem linda,não sei porque mas achei ela muito linda.
    Você mora sozinha? Uau,que aventura. Eu acho que não saberia me virar morando sozinha.
    Concordo com você,antes eu era bem mais espontanêa já hoje eu sou bem mais tímida,odeio apresentar coisas em público mesmo que seja a minha classe,eu morro de vergonha. Queria ser como eu era à um tempo atrás ><

    Beijos || Quase Uma Alice

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Amanda!
      Ai que bom que você gostou fico MUCHO felizzzzzzz<3
      Uma verdadeira aventura e as vezes me questiono se fiz a escolha certa quando decidi isso, mas vale a pena 75% das vezes.
      VOLTA VELHOS TEMPOS/te imploro
      Beijitos

      Excluir
  6. Eu sinto a mesma coisa em relação ao conhecimento. Até ano passado, mesmo, eu não imaginava que eu poderia saber tanto quanto eu sei hoje e muito menos que eu iria me interessar por tantas coisas ao ponto de sair pesquisando cada vez mais e mais, até satisfazer o meu desejo de aprender, de descobrir.

    Desculpa a pergunta, mas você é emancipada? Eu imagino como deve ser, meu irmão tem 18 e pretende sair de casa o mais rápido possível, eu tenho 15 e tenho uma vontade enorme de me emancipar, mas eu paro para pensar que eu teria que me responsabilizar por todos os meus atos e todo o agrado que eu possuo, eu poderia não possuir mais caso eu fosse morar sozinha. Não que eu tenha opção, meus pais jamais permitiriam que a única filha(com única filha, quero dizer única menina) deles fosse morar sozinha com seus poucos-nem-tão-poucos anos de vida.
    Aliás, acho que independente da forma que as pessoas vão te olhar, você deve se vestir, falar e agir da forma que você gosta e que lhe agrada. Apenas você pode julgar a si mesma e apenas você se conhece ao ponto de saber quem e como você é. Bom, na verdade, ninguém se conhece por completo, estamos sempre descobrindo mais sobre nós mesmos, mas deu para entender.

    Me identifiquei por completo agora! Com 11 anos para baixo, eu virava para o meu grupo e falava "eu quero falar, me dá uma fala, pode ser grande", hoje em dia eu tento correr ao máximo de apresentações em público. Tenho um trabalho gigante para mês que vem, onde terei que apresentar para todas as turmas do primeiro e segundo ano do EM, para os meus professores, diretores e qualquer outra pessoa que queira assistir ao congresso. Todos do grupo precisam falar e eu to tentando fazer a coordenadora permitir que seja apenas o primeiro com o primeiro e nada do segundo na mesma sala. Facilitaria para mim e muitas pessoas. Eu saía puxando assunto com todas as pessoas possíveis, tentando fazer amizade e tudo o mais. Hoje em dia eu sou tão tímida quanto. E eu sei que não sou assim, pois eu AMO falar, AMO conversar e AMO fazer amizades, sabe? E eu tento fazer, mas sinto que não ta dando e paro. É complicado.

    Apesar do que eu disse antes, eu tenho que concordar com você. Saber pode acabar com a gente, até porque o saber que eu me refiro agora, é diferente do que eu me referia antes. Você sai sabendo o que as pessoas pensam das outras hoje em dia, sabendo do que acontece e pode acontecer, do que elas falam e de como julgam aos outros. Você sai com aquele receio de ser encarada e começa a pensar que já estão falando algo ruim de ti, quando na verdade podem estar apenas elogiando o seu cabelo, ou a sua roupa, ou a forma como você se porta diante as coisas e pessoas. Mas você nunca vai saber. Isso que é o difícil de crescer, aliás. Quando você é uma criancinha, você nem liga para isso e nem repara quando te encaram; mas então você cresce e repara em tudo, descobre tudo e o pior lado que um ser humano pode possuir.


    P.S: deixa eu admitir que o johnny(e a winona) e clube dos cinco ali me chamou bastante a atenção e me fez não perder mais nenhum minuto para ler tuas postagens! Hahaha


    Vitoriando

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fiquei chorando quando vi um cometário tão lindo e grande desse jeito hsuhausas nao sei nem por onde começar.
      SIM OH MEU DEUS nos ultimos tempos eu me tornei uma das pessoas mais curiosas que já vi!
      Você também deixou conselhos e eu sou uma pessoa que adora receber isso, então seriamente muito obrigada.
      Fico feliz que você tenha se identificado/gostado da postagem.
      Um beijo no coração e muito obrigada pelo comentário mais lindo que já recebi.

      Excluir

Postar um comentário

Olá meu querido visitante. Muuuuuuuuuito obrigado por você querer deixar um comentário muito foficho da sua parte, seu comentário é mega importante e muito significativo pra mim. Fico feliz que você tenha feito a escolha de comentar (foficho parte 2.) e saiba que eu também vou visitar o seu blog com todo amor que você veio visitar o meu. Enfim, realmente muito obrigada. mi casa es su casa

Postagens mais visitadas deste blog

"O romantismo é uma coisa superestimada, o realismo é o que há"

Por onde anda a autora desse site?

As fiéis promessas