Um levantamento sobre mim mesma

Aos que dizem que os arianos costumam ter uma libido alta e amam com grande paixão eu me encaixo exageradamente nesse quesito e acho que nada melhor pode me definir
Está suspeito a falar quem nunca viveu a bipolaridade adolescente de estar bem em um segundo piscar os olhos e perceber que o seu mundo tá totalmente de cabeça pra baixo pelos motivos mais idiotas e escrotos que possa ser imaginado. Eu sempre critiquei muito pessoas assim ou seja eu sempre me critiquei e percebi isso exatamente no momento que me toquei que a minha vida toda eu fui assim. 
A sensação de ser só mais uma incógnita que as pessoas tem talvez a preguiça de resolver ou preguiça de encontrar o seu valor e depois de tanto calcular encontrar um 0. O medo de ser esquecida me leva a ser enforcar no seu próprio temor de ser apenas mais um "y" mal resolvido naquela prova de matemática que você caprichosamente tirou 4,5. 
Aquela coleção contável de "rachadura cardíaca" que você coleciona com níveis de: loucamente desesperada de dor e tá, isso foi bobo porém fez estrago. O clichê eterno de romance mal entendido o quão chato isso pode ser para um garota tão nova que não sabe nem um 1/3 da vida? 
Eu já desejei milhares de vezes minha vida como um clipe do Jesse Mccartney que eles simplesmente pegam o carro e vagam pelas estradas cinematográficas da vida mas eu não sou do clã do Jesse e nem tenho idade pra dirigir. Não queria ser a tiazinha de She Will be Loved que está com alguém que não quer ou seja ela está ali só por estar sendo que na verdade ela só queria estar onde ela realmente queria (isso soou muito complexo). Queria saber o fim, como vai ser, se vai dar tudo certo um dia finalmente. A vida é muito cheia de "se", queria ter a certeza das coisas sabe? Saber o que vai ser de mim e largar essa incerteza de uma vez por todas.
Chato esse sentimento de querer fazer algo mas você tem medo de tudo dar errado e seu ego simplesmente não aguentar ser totalmente contrariado por outra pessoa caso você encontre algo do tipo pela frente.
No livro que a vida escreve sobre mim, fazer o papel de heroína que distribui dicas de sobrevivência diária, eu sou só mais uma que finge saber de tudo mas afinal, o que eu realmente sei? A vontade de encontrar o seu paraíso e viver lá pra sempre é o que todos almejam mas o caminho até lá não é largo como as filas do cinemark. É um caminho estreito que desperta medo, e muita mas muita falta de coragem.
Odeio me questionar sobre o futuro ele tem cara daquele sujeito incerto que você não quer conhecer jamais porém morre de vontade de mudá-lo por bem ou por mal.
Já imaginei aos meus 21 anos, eu vou estar lendo isso e dando risada das coisas babacas que eu guardo das pessoas, se eu vou olhar pro passado e relembrar o quanto esses tempos foram um nadinha perto que se passa agora.
Será que eu vou virar uma velha rabugenta que vê o adultero no meu companheiro, louca totalmente casmurro? 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

"O romantismo é uma coisa superestimada, o realismo é o que há"

Por onde anda a autora desse site?

As fiéis promessas